BLOG

Estrategia em Alimento

Já não é de hoje que diversos órgãos de saúde globais, políticas públicas, organizações alertam quanto para a importância de Rotulagem Nutricional mais clara. Em 2012-2013 nossos vizinhos Equador, Chile e México iniciaram seus planos para rotulagem, baseados em critérios internacionais; nesta mesma época o Brasil formou seu grupo de trabalho para cuidar da questão.
Em 2016, a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde) criou seu próprio critério para a classificação nutricional de produtos industrializadas e o tema ganhou ainda mais força no Brasil – no último ano a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou seus planos e possibilidades para o modelo brasileiro. Confira algumas das possibilidades que vem sendo analisadas:
Proposta do grupo de trabalho de Anvisa
– Rotulagem nutricional frontal com advertência na forma de círculo vermelho, quando o alimento contiver quantidades elevadas de açúcares, gorduras e/ou sódio. Além disso, os rótulos deverão apresentar uma tabela secundária para até 8 componentes do alimento com cores do semáforo destacando altos (vermelhos), médios (amarelo) e baixos (verde) teores.
– Outra opção defendida pela Anvisa é o modelo similar ao chileno – rotulagem frontal com advertências no formato de octógonos de cor preta, indicando teores elevados de calorias, açúcares, sódio, gorduras, gorduras saturadas, gorduras trans, além da sinalização da presença de edulcorantes e aditivos alimentares.
Proposta do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor)
– Rotulagem frontal com esquema de advertências na forma de triângulos de cor preta, que informam sobre teores elevados de açúcares, sódio, gordura, gordura saturada, gordura trans e edulcorantes. Ainda propõe indicar nas embalagens o consumo moderado de produtos considerados “ingredientes culinários” (isentos das advertências), como açúcar, sal e óleos.
Proposta da ABIA (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentos)
– Utilização do modelo “semáforo” (utilizando cores) na rotulagem frontal para açúcares, gorduras totais, saturadas e sódio.
Após a definição dos modelos, a ANVISA pretende levar o projeto para consulta pública para escolher o melhor sistema, de acordo com a opinião do consumidor. A aprovação deve acontecer em meados de 2018.

Referências Bibliográficas:
Instituto de Defesa do Consumidor. 2017. Disponível em: https://idec.org.br/rotulagem. Acesso em 09 de março de 2018.
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/2782895/Documento+3+-Relat%C3%B3rio+do+Grupo+de+Trabalho+sobre+Rotulagem+Nutricional.pdf/eed8cd1b-33c1-42c6-b847-12255e3d2264. Acesso em 09 de março de 2018.