PORTALRGNUTRI

EVOLUÇÃO NO CÁLCULO DE CALORIAS DOS ALIMENTOS

abril 21, 2018

Através de uma série de estudos, pesquisadores da USDA (U.S. Department Of Agriculture) buscaram entender quanto das calorias de algumas nuts, como amêndoas, nozes e pistaches são de fato absorvidas e utilizadas pelo corpo humano após seu consumo e parece que os valores calóricos desses alimentos podem mudar.
Ao longo dos anos, a ciência da nutrição evoluiu e mostra cada vez mais que “contar calorias” não é tão simples quanto parece. O conceito por trás dos achados é a biodisponibilidade, ou seja, nem toda a quantidade de calorias ou nutrientes ingeridas serão de fato absorvidos e utilizados pelo corpo. No caso das nuts o fato de serem ou não torradas ou mesmo o modo como são mastigadas influenciam no seu “valor calórico”, segundo os cientistas.
Estudos com o pistache, por exemplo, mostraram uma redução de 5% do valor calórico atual do pistache para seu valor de fato absorvido pelo corpo; pode parecer pouco, mas no “fim do dia”, essas pequenas variações podem ser bastante significativas. Já outro estudo realizado com nozes mostra uma diferença mais expressiva entre o conteúdo de energia estimado para o alimento e o conteúdo metabolizado: 21%! E no caso das amêndoas 32% de redução, valores muito significativos.
Segundo os pesquisadores, fornecer informações mais precisas sobre o conteúdo de energia metabolizável (calorias reais dos alimentos) pode ser um próximo passo, inclusive para constar em rótulos de alimentos.


Referência Bibliográfica:

U.S. Department Of Agriculture. Going nuts for calories. 2018. Disponível em: https://www.usda.gov/media/blog/2018/03/23/going-nuts-calories. Acesso em 28 de março de 2018.