BLOG

Estrategia em Alimento

Impactos e desafios da redução de sódio nos alimentos

O Ministério da Saúde e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimento (Abia) reafirmaram, em 2017, um acordo que determina a redução de sal nos industrializados de forma gradual até 2020. Mesmo antes da concretização da medida, algumas marcas já vinham reduzindo os níveis de sódio em seus produtos, assim como aconteceu um dia com a gordura trans, por exemplo.

Você já parou para pensar em quais são os verdadeiros impactos e desafios dessa redução de sal nos alimentos para as indústrias do setor? É justamente sobre isso que falaremos neste artigo. A seguir, entenda mais sobre o processo e aproveite para conhecer alguns cases de sucesso!

A redução de sal nos alimentos

Muito se lê e escuta sobre a importância de moderar o consumo de sal na alimentação diária. Como tornar isso possível da melhor forma é, aqui, a grande questão. Considerando, sobretudo, as tradições gastronômicas do Brasil, o uso do ingrediente é indispensável na composição da maioria dos pratos salgados.

Nesse sentido, a redução de sódio nos alimentos industrializados foi apontada tanto pelo governo quanto pelas indústrias de alimentos como parte da solução, adotando, inclusive, acordos como o que já mencionamos no início do post.

Na primeira etapa da medida, entre 2007 e 2011, o foco era retirar o excesso de sal dos industrializados. Já nos anos seguintes, houve a substituição do ingrediente por tipos de sal reduzidos em sódio.

Agora, com a reafirmação do acordo, a proposta para as indústrias é modificar fórmulas já consolidadas. Isso envolve procedimentos mais complexos, como a degustação e a aceitabilidade dos consumidores, afinal, o objetivo da medida, a princípio, não é mudar o sabor dos produtos, mas minimizar seu possível impacto negativo à saúde de quem os consome.

Os impactos da redução de sódio para a saúde

A redução do sal pela indústria de alimentos é uma medida que ganha ainda mais sentido quando se considera que o brasileiro consome cerca de 8 a 10 gramas de cloreto de sódio por dia, enquanto o recomendado, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são apenas 5 gramas.

Além disso, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, mais de 30 milhões de brasileiros sofrem de hipertensão arterial sistêmica, que contribui para o aumento do risco de doenças do coração, rins e cerebrovasculares. Um dos responsáveis pela condição é, justamente, o consumo excessivo de sal.

As principais dificuldades enfrentadas pelas empresas

A grande dificuldade que as empresas de alimentos vem enfrentando em relação à redução de sódio é manter o sabor e a qualidade dos produtos, mesmo com a mudança, pois não basta adicionar ou reduzir o ingrediente, já que ele tem efeitos significantes na composição do sabor.

Preservar o perfil do produto original é muito importante. Nesse sentido, há de se fazer a seguinte reflexão: reduzir o sódio nos alimentos seria mesmo uma medida eficaz se o consumidor percebesse a diferença e complementasse o sal por conta própria, até mesmo abusando do ingrediente e ingerindo uma quantidade ainda maior dele? essa possibilidade aponta para a necessidade de um trabalho de educação do consumidor concomitante à medida de redução, o qual também não deixa de ser responsabilidade da indústria de alimentos.

É necessário lembrar, ainda, que existem alimentos que não necessariamente poderão ser classificados como baixos em sódio, por conta de suas características fundamentais. Esse é o caso dos embutidos, por exemplo. Sendo assim, cabe às marcas, além de executar toda a redução possível, promover a educação quanto às quantidades de cada alimento que se adequam a um padrão alimentar adequado e saudável.

Ambos os trabalhos educativos podem ser realizados por meio de melhorias na rotulagem, por exemplo, ao fornecer informações mais claras sobre a composição do item e sobre seu papel, frequência e quantidade adequadas à alimentação cotidiana.

Como obter sucesso com a medida?

A indústria tenta, a cada dia, inovar para apresentar produtos saudáveis e, ao mesmo tempo, saborosos. Chegar a um bom resultado é um processo que envolve teoria, prática e tecnologia.

Uma grande aliada para as marcas é a consultoria estratégica em alimentos, que atuará em conjunto com vários setores dentro das empresas, como Marketing, P&D e Regulatório, auxiliando na compreensão de todos os aspectos envolvidos no processo de redução de sal para, assim, ter um melhor direcionamento sobre quais medidas adotar. Prestando serviços personalizados, a consultoria saberá aconselhar na execução de projetos com conhecimento científico, táticas e inovações.

Um exemplo é a reformulação do produto. Para compensar a falta de sal e a sensação que ele causa ao paladar, por exemplo, é possível intensificar notas de temperos  e especiarias, como pimenta, coentro, entre outros. Com a consultoria, são trabalhados também esses aspectos, com o objetivo de manter ou até mesmo aprimorar o perfil sensorial do alimento, incorporando notas de sabores antes impensadas.

Por fim, outro desafio que também pode ser contornado com o auxílio da consultoria é fazer com que os novos produtos inseridos no portfólio da empresa já sejam idealizados e desenvolvidos com teores de sódio reduzidos. Isso contribuirá grandemente para que habituar gradativamente o paladar dos consumidores a alimentos menos salgados.

A importância da redução de sódio para a indústria de alimentos

A verdade é que nunca se falou tanto sobre manter um estilo de vida saudável como atualmente. Com o boom do universo fitness e a ascensão dos nichos específicos em que vigora a alimentação saudável, sobretudo nas redes sociais, o público está gradualmente mudando os seus hábitos de consumo.

Hoje, medidas como a redução de sal, açúcar, gorduras e corantes não só são bem-vindas, como também muito importantes aos olhos das pessoas — que cobram isso cada vez mais das empresas. Ao permitir que o público faça escolhas alimentares mais saudáveis, numa ação consciente de promoção da saúde, as chances de estreitar o relacionamento com o consumidor de forma genuína se tornam ainda maiores.

Como foi possível perceber, a redução de sal nos alimentos não implica em eliminar o ingrediente da formulação dos produtos. A questão é muito mais complexa do que pode parecer, já que envolve fatores como sabor, aroma, textura, entre outros. Para conquistar e fidelizar o público, as empresas devem encarar a medida com bastante cuidado, considerando melhorias à saúde do consumidor e mantendo a qualidade dos itens.

Gostou de entender sobre a redução de sal nos alimentos? Então, aproveite para compartilhar o post agora mesmo em suas redes sociais e fazer com que o tema chegue a mais pessoas!