buscar:      

siga-nos:


A Gravidez na Adolescência
Serviço de Atendimento ao Profissional - Saúde Pública

A adolescência é um dos períodos mais desafiadores no desenvolvimento humano. Ela é considerada especialmente vulnerável em termos nutricionais por vários fatores: o aumento da demanda de nutrientes devido ao crescimento acelerado e a mudança no estilo de vida.

A adolescência é a fase em que se formam padrões de comportamentos e desenvolve-se atitudes em função de diversas situações, sociais,econômicas ou mesmo ambientais, que determinam a saúde presente e futura ( Magalhães,1997)

O estado nutricional do indivíduo é determinado por fatores biológicos, sociais, econômicos, culturais e históricos. Entre adolescentes pode interferir diretamente na saúde, inclusive determinando sérios agravos para a vida adulta ( Oliveira, 2000).

Nesta fase, como visto em muitos estudos atuais, existe uma alta prevalência de obesidade, traduzindo uma transição nutricional; e também alta prevalência de gravidez, decorrentes de causas diversas, podendo estar relacionada à falta de orientação sexual, ou mesmo a fatores psicossociais.

Gravidez

A puberdade marca o início da vida reprodutiva da mulher, sendo caracterizada pelas mudanças fisiológicas corporais e psicológicas da adolescente. Uma gravidez na adolescência provoca mudanças maiores ainda na transformação que já vinha ocorrendo de forma natural.

A gravidez na adolescência é, portanto, um problema que deve ser levado muito a sério e não deve ser subestimado. Segundo os dados do IBGE, desde 1980 o número de adolescentes entre 15 e 19 anos grávidas aumentou 15%. Só para ter idéia do que isso significa, são cerca de 700 mil meninas tornando-se mães a cada ano no Brasil. Desse total, 1,3% são partos realizados em garotas de 10 a 14 anos.

No Brasil, a cada ano, cerca de 20% das crianças que nascem são filhas de adolescentes, encontramos nos dias de hoje três vezes mais garotas com menos de 15 anos grávidas que na década de 70.

A Pesquisa Nacional em Demografia e Saúde, de 1996, mostrou um dado alarmante; 14% das adolescentes já tinhas pelo menos um filho e as jovens mais pobres apresentavam fecundidade dez vezes maior. Entre as garotas grávidas atendidas pelo SUS no período de 1993 a 1998, houve aumento de 31% dos casos de meninas grávidas entre 10 e 14 anos. Nesses cinco anos, 50 mil adolescentes foram parar nos hospitais públicos devido a complicações de abortos clandestinos. Quase três mil na faixa dos 10 a 14 anos.

No Brasil, o parto é a primeira causa de internação de adolescentes no sistema público de saúde, já que o processo do parto pode ser dificultado por problemas anatômicos e comuns da adolescente, tais como o tamanho e conformidade da pelve, a elasticidade dos músculos uterinos, os temores, desinformação e fantasias da mãe ex-criança, além dos importantíssimos elementos psicológicos e afetivos possivelmente presentes.

Em 1996, 14% das jovens com menos de 15 anos já tinham pelo menos um filho; e de cada 10 mulheres que hoje têm filhos, duas são adolescentes.

Em uma gestante adolescente podem ocorrer complicações tanto para ela como para o bebê, pois segundo Gama et al, 2001, a porcentagem de nascimentos de recém nascidos de baixo peso é muito maior quando a mãe é adolescente. A suplementação da dieta durante a gravidez pode tomar a forma adicional, proteína, vitaminas ou minerais que excedem sua ingestão diária.O ganho de peso recomendado durante a gravidez pode ser levemente maior para a adolescente do que para adulta, porque seu próprio corpo ainda está em processo de formação.

É recomendado que adolescentes, na média, ganhem de 10 a 15 kg durante a gravidez; o ganho de peso recomendado é individualizado dependendo do peso pré-gravidez e idade ginecológica, sendo que as adolescentes grávidas estão na idade ginecológica jovem (definida como: número de anos entre o início da menstruação e a data da concepção).

Um método clinicamente prático de garantir a adequação nutricional é encorajar a adolescente grávida a ganhar a quantidade recomendada de peso, consumindo alimentos ricos em nutrientes, Já que nesta fase conturbada, as adolescentes não estão apenas maturando fisicamente como também cognitiva e psicossocialmente, além disso, elas procuram sua identidade, lutam por independência e aceitação e estão preocupadas com a aparência.

Ao engravidar, a jovem tem de enfrentar, paralelamente, tanto os processos de transformação da adolescência como os da gestação, representando uma sobrecarga de esforços físicos e psicológicos muito grande.


Referências Bibliográficas

Mahan LK, Stump SE. Krause. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 10 ed. Roca: São Paulo, 2002.

Magalhäes, Vera Cristina. Prevalência de sobrepeso e obesidade em adolescentes das regiöes nordeste e sudeste do Brasil: 1996-1997 / Overweight and obesity prevalence in adolescents from Southeastern and Northeastern regions of Brazil: 1996-1997. Rio de Janeiro; s.n; 2001. 128 p. tab)

Lolio, Cecília Amaro de; Latorre, Maria do Rosário Dias de Oliveira. Prevalência de obesidade em localidade do Estado de Säo Paulo, Brasil, 1987 / Prevalence of obesity in a County town of S.Paulo State, Brazil, 1987. Rev. saúde pública;25(1):33-6, fev. 1991.

Silva, Gisélia Alves Pontes da; Balaban, Geni; Nascimento, Eulália Maria M; Baracho, Joana Darc Santana; Freitas, Maria Maia V. Prevalência de sobrepeso e obesidade em adolescentes de uma escola da rede pública do Recife / Overweight and obesity prevalence in adolescents from a public school in Recife. Rev. bras. saúde matern. infant;2(1):37-42, jan-abr. 2002
Fonseca, Vania de Matos, SichieriI, Rosely e Veiga, Glória Valéria da. Fatores associados à obesidade em adolescentes. Rev. Saúde Pública, dez. 1998, vol.32, no.6, p.541-549. ISSN 0034-8910.

Gama, Silvana Granado Nogueira da, Szwarcwald, Célia Landmann, Leal, Maria do Carmo et al. Gravidez na adolescência como fator de risco para baixo peso ao nascer no Município do Rio de Janeiro, 1996 a 1998. Rev. Saúde Pública, fev. 2001, vol.35, no.1, p.74-80. ISSN 0034-8910.
Sites:
www.manuladoadolescente.com.br
www.unifesp.br
www.bireme.br