buscar:      

siga-nos:


Suplementos que Contém Efedrina - Abril de 2003
Serviço de Atendimento ao Profissional - Trabalhos Científicos

Apesar de banidos pela NFL, pela NCAA e pelo Comitê Olímpico Internacional, os suplementos alimentares que contém efedrina ainda são consumidos pelos atletas e pelo público em geral, freqüentemente devido às promessas de perda de peso ou melhor performance por causa dos seus efeitos estimulantes. Para saber mais sobre estes suplementos tão comuns, nós entrevistamos Ellen Coleman, RD, MA, MPH e consultora de Nutrição dos Los Angeles Lakers e Anaheim Angels, sobre as mais recentes descobertas a respeito desta droga.

Nós esperamos que estas informações sejam úteis.

Bob Murray, PhD, FACSM
Diretor do Gatorade Sports Science Institute

Suplementos que Contém Efedrina
Abril de 2003



Ellen Coleman, RD, MA, MPH

Em muitas competições, a diferença entre ganhar e perder pode se dar por uma questão de milésimos de segundos. Não é nenhuma surpresa que os atletas queiram utilizar suplementos com efedrina para melhorar o desempenho, ter mais energia ou diminuir a gordura corporal. Infelizmente, os atletas que usam efedrina podem se arriscar a ter mais do que eles esperam da droga. Ao mesmo tempo em que ela pode ajudá-los a correr mais longe e rápido, também pode torná-los vítimas dos seus efeitos colaterais - potencialmente letais. A verdade é que o uso da efedrina é bastante controverso. Especialmente quando consideramos que a NFL, a NCAA e o Comitê Olímpico Internacional tomaram medidas para mantê-la fora das competições. Agora, a FDA está levantando uma nova discussão.

O que é Efedrina
O que é exatamente efedrina? Classificada como droga simpatomimética (receptor agonístico adrenérgico beta-1 e beta-2), é um estimulante do sistema nervoso central que aumenta os níveis sangüíneos de norepinefrina. As ervas ma huang, ephedra sinica e sida cordifolia contém efedrina, que é estruturalmente similar às anfetaminas.
A efedrina é um eficaz broncodilatador, pois estimula os receptores beta-2 nos pulmões. Entretanto, ela também estimula os receptores beta-1 no coração, causando aumentos que dependem da dose no batimento cardíaco e na pressão sanguínea. Drogas que são agonísticos mais seletivos de beta-2 são geralmente preferidas para o tratamento da asma.

O Papel da Efedrina na Performance dos Atletas e na Perda de Peso
O apelo da efedrina para os usuários se baseia no fato de que ela pode fazer uma ou todas das três coisas abaixo descritas, dependendo do indivíduo:

- Aumentar a performance atlética através do estímulo do sistema nervoso central e do aumento do batimento cardíaco e da força de contração através da ativação dos receptores beta-1.
- Suprimir o apetite através do aumento da liberação de norepinefrina pela estimulação dos trajetos adrenérgicos no hipotálamo.1
- Promover a perda de peso através do aumento da termogênese e do gasto energético basal pela estimulação dos receptores musculares beta-2.

Se a droga for combinada com cafeína e aspirina ("ECA stack"), como alguns usuários fazem acreditando que isto irá aumentar a sua eficácia como agente para a perda de peso, o risco pode aumentar significativamente. Neste contexto, a efedrina estimula a liberação de norepinefrina, estimulando a liberação de adenosina e a síntese de prostaglandinas pelo tecido ativado. A adenosina e as prostaglandinas inibem o efeito da norepinefrina. A cafeína opõe o efeito da adenosina e aumenta a liberação de norepinefrina. A aspirina inibe a síntese de prostaglandinas, aumentando o efeito da norepinefrina.

Efeitos Colaterais
O que os usuários não sabem ou não levam a sério quando procuram melhorar a performance através do uso de tais suplementos são os efeitos colaterais que eles podem causar. A efedrina aumenta a produção de calor e a temperatura corporal e pode aumentar o risco do atleta de desenvolver insolação durante os exercícios em climas quentes. Além da maior produção de calor, outros efeitos podem incluir desde tontura, dor de cabeça, desconforto gastrintestinal, batimento cardíaco irregular e palpitação até infarto, derrame, psicose e morte.
Estes efeitos colaterais podem variar dependendo do indivíduo e da ocasião e não dependem tanto da quantidade consumida. A combinação de cafeína (do café, guaraná, mate ou qualquer outra fonte) com produtos contendo efedrina (como os já mencionados) aumenta muito os riscos.

Se o conhecimento destes efeitos colaterais não for suficiente para deter os usuários, o Comitê Olímpico Internacional, a Associação Atlética Colegial Nacional (NCAA) e a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) esperam que algumas das suas recentes políticas para banir a droga - como a suspensão dos atletas por doping- sejam.

Os Achados das Pesquisas
Ainda assim, serão as preocupações destas organizações a respeito da efedrina realmente válidas? Em dezembro de 2000, um estudo conduzido pela Food and Drug Administration (FDA) se propôs a responder esta pergunta, examinando os efeitos adversos cardiovasculares e no sistema nervoso central associados aos suplementos alimentares contendo alcalóides de efedra.

No estudo, foram revisados os registros de 140 usuários de efedra que apresentaram complicações (ataques cardíacos, derrames e morte) entre 1997 e 1999. Estes usuários eram jovens e saudáveis - e alguns haviam tomando efedrina apenas por alguns dias.

Os pesquisadores concluíram que:
- Um terço das complicações dos pacientes foram definitivamente ou provavelmente causadas pelo uso de efedrina.
- Outro terço dos problemas foram possivelmente causados pela efedrina.
- Em um quinto dos casos, não havia suficiente informação para determinar a causa.

Ao mesmo tempo em que estes resultados ilustram os riscos associados à efedrina, os resultados da pesquisa ilustram a sua eficácia. De acordo com a pesquisa:

- Uma combinação de efedrina e cafeína (de 0.8 a 1.0 mg de efedrina por kg e de 4 a 5 mg de cafeína por kg consumido 1½ hora antes do exercício) pode melhorar a performance anaeróbica e aeróbica de alta intensidade.
- Combinar efedrina e cafeína (20 mg de efedrina e 200 mg de cafeína, consumidas três vezes por semana) com uma dieta de baixa caloria (1.000 calorias) pode também ajudar a promover a perda de peso em indivíduos obesos.

Investigações Federais
Apesar da eficácia, em junho de 2002, o Secretário de Serviços Humanos e de Saúde, Tommy Thompson, convocou uma extensa revisão científica sobre a efedrina para direcionar as preocupações relativas ao seu uso. A Rand Corporation está conduzindo esta abrangente pesquisa sobre a efedrina e o Instituto Nacional de Saúde irá usar estas informações para avaliar a segurança do produto.

Em outubro de 2002, o Secretário Thompson também pediu que a FDA determinasse a colocação de rótulos de advertência obrigatórios nos produtos contendo efedrina. A FDA está trabalhando na regulamentação das Melhores Práticas de Manufatura de Produtos para os suplementos alimentares. Estas medidas não impedem outras ações como resultado da revisão sobre efedrina da Rand Corporation. Além disto, a FDA anunciou um novo programa para analisar todos os produtos de ervas com efedrina, para garantir que eles contenham apenas ingredientes naturais (não sintéticos), como prevê a lei. É ilegal a comercialização de produtos de ervas não sintéticas com efedrina como suplementos alimentares.

Conclusão
Apesar da efedrina poder aumentar a performance dos atletas, os riscos associados a este suplemento superam em muito os benefícios. Os suplementos que contém efedrina não irão possibilitar aos atletas atingirem os seus objetivos. Nutrição saudável, hidratação e programas de treinamento irão.

Ellen Coleman trabalha com atletas na S.P.O.R.T. Clinic em Riverside, na Califórnia, e é a consultora de Nutrição dos Los Angeles Lakers e Anaheim Angels.

Referências
1. Rawson ES, Clarkson PA. A efedrina como auxílio ergogênico. Substâncias que Melhoram a Performance nos Esportes e nos Exercícios. Ed Bahrke MS, Yesalis CE. Cinética Humana. 2002.
2. Haller CA, Benowitz NL. Os efeitos adversos cardiovasculares e no sistema nervoso central associados aos suplementos alimentares contendo alcalóides de efedra. Medicina. 343:1833-8, 2000.
3. Public Citizen Health Research Group. Petição para a Food and Drug Administration (FDA) banir a produção e a venda de suplementos alimentares contendo alcalóides de efedrina. (HRG Publication #1590). http://www.citizen.org/publications/release.cfm?ID=7053
4. Bell DG, McLellan TM, Sabiston CM. O efeito da ingestão de cafeína e efedrina na performance de uma corrida de 10 km. Medicina Esportiva. 34:344-9, 2002.
5. Bell DG, Jacobs I, Ellerington K. O efeito da ingestão de cafeína e efedrina na performance de exercícios anaeróbicos. Medicina Esportiva. 33:1399-403, 2001.
6. Astrup A, Breum L, Toubro S, Hein P, Quaade F. O efeito e a segurança da combinação cafeína/ efedrina em comparação a efedrina, cafeína e placebo em indivíduos obesos em uma dieta de restrição calórica. Distúrbios do Metabolismo. 16(4):269-77, 1992.
7. Astrup A, Buemann B, Christensen NJ, Toubro S, Thorbek G, Victor OJ, Quaade F. O efeito da mistura efedrina/ cafeína no gasto energético e na composição corporal de mulheres obesas. Metabolismo. 41:686-8, 1992.
8. Food and Drug Administration. Notícias da FDA: Declaração do representante Crawford, da FDA, a respeito do Metabolife. August 15, 2002. http://www.fda.gov/bbs/topics/NEWS/2002/NEW00828.html
9. Food and Drug Administration. Notícias da FDA: Secretário Thompson requer rótulos de advertência para efedra. 8 de outubro de 2002. http://www.fda.gov/bbs/topics/NEWS/2002/NEW00844.html