buscar:      

siga-nos:


Digestão de Carboidratos
Saúde & Performance - Fisiologia

Carboidratos, o que são?

Os carboidratos são considerados a fonte primária de energia para o organismo, uma vez que seu catabolismo possibilita a liberação de energia química para a formação de ATP (energia).

Fornecem primariamente combustível para o cérebro, medula, nervos periféricos e células vermelhas do sangue. Por esse motivo uma ingestão insuficiente pode trazer prejuízos ao sistema nervoso central e ao organismo.

Carboidratos, também chamados de glicídios ou glícides, são componentes orgânicos (macronutrientes cujos maiores representantes pertencem ao reino vegetal), constituídos por carbono, hidrogênio e oxigênio, podendo variar de açucares simples ou compostos.

Os carboidratos são classificados, segundo a sua estrutura molecular, numa série de grupos dos quais alguns são de muita importância, como os monossacarídeos que são os açucares simples (glicose, frutose e galactose), os dissacarídeos que são a combinação de dois monossacarídeos (sacarose, maltose e lactose) e os polissacarídeos que são formados a partir da junção de três ou mais monossacarídeos e se dividem em dois grupos, os polissacarídeos vegetais (amido e fibras) e os polissacarídeos animais (glicogênio).

Digestão

Quando ingeridos, os carboidratos estão sob forma de polissacarídeos e dissacarídeos que necessitam ser hidrolisados (quebrados) em açucares simples para serem absorvidos. A digestão dos carboidratos, assim como de outros nutrientes, inicia-se na boca com a mastigação, que fraciona o alimento e o mistura com a saliva.

Durante esse processo, a enzima amilase salivar secretada pelas glândulas parótidas (glândula salivar situada na região orofaríngea) inicia a quebra do carboidrato em dextrinas e maltoses que são moléculas menores. Esta enzima sofre inativação no estômago, assim que inicia a liberação de outras enzimas locais. Ainda no estômago, ocorrem contrações das fibras musculares da parede continuando o processo digestivo mecânico, que são os movimentos peristálticos, que tem a função de misturar as partículas dos alimentos com secreções gástricas. É importante ressaltar que a secreção gástrica não contém enzimas digestivas específicas para a quebra do carboidrato, ocorrendo, portanto, a movimentação do carboidrato para a parte inferior do estômago e da válvula pilórica. Após esse processo, a massa alimentar transforma-se em uma massa espessa chamada quimo, que irá ocupar o duodeno, a primeira porção do intestino delgado.

Dentro do intestino delgado os movimentos peristálticos continuam movendo o quimo ao longo do intestino delgado onde a digestão do carboidrato é finalizada através das secreções pancreática e intestinal.

As enzimas do pâncreas entram no duodeno através de um ducto e contém a amilase pancreática, responsável pela continuidade do processo do desdobramento do amido e da maltose. Já as secreções intestinais contêm três enzimas distintas, as dissacaridases sacarase, lactase e maltase, que atuam sobre os dissacarídeos para render os monossacarídeos glicose, frutose e galactose para absorção.

Desta maneira:

Fonte de enzima
Enzima
Substrato
Produtos
Boca
Glândulas salivares
Amilase salivar (pitalina) Amido Dextrinas e Maltoses
Intestino Delgado
Pâncreas
Amilase pancreática Amilose e amilopectina Maltose, maltotriose e dextrinas a-limitantes
Mucosa Intestinal Borda em escova
Sacaridases intestinais a-dextrinas (isomaltase)

Sacarase
Maltase
Lactase

Dextrinas a-limitantes (isomaltase)
Sacarose
Maltose
Lactose

Glicose
Glicose e frutose
Glicose e glicose
Glicose e galactose

 

Alimentos fonte de carboidrato

  • Cereais: arroz branco, arroz integral, cereal matinal, aveia
  • Massas e preparados: macarrão, tortas, bolos, pães, bolachas, etc.
  • Frutas: maça, banana, uva, melancia, caqui, goiaba, etc.
  • Leguminosas: feijão, ervilha, lentilha
  • Tubérculos: batata e mandioquinha

Matéria elaborada pela Equipe RGNutri