buscar:      

siga-nos:


O Ambiente Alimentar da Criança
Saúde & Qualidade de Vida - Crianças

Na alimentação da criança, a adequação nutricional é de suma importância para um melhor crescimento e desenvolvimento. No entanto, outros fatores devem ser considerados quando o assunto é alimentação infantil.

O ato de alimentar-se oferece, também, inúmeras oportunidades para o desenvolvimento pessoal-social da criança: o comer sozinho, o preferir alimentos, o aprender cores e sabores. Dessa forma, é muito importante o ambiente e forma pela qual a criança se alimenta, as companhias e sua relação com o alimento. Tais fatores estão diretamente relacionados com a aceitação e aquisição dos hábitos alimentares, devendo ser praticados de forma ideal, já que são hábitos adquiridos por toda a vida.

Local da alimentação x Companhias

A criança deve receber suas refeições na mesa dos adultos. Deve ter a oportunidade de, enquanto aprende a comer à mesa, participar da refeição familiar, reforçando dessa forma, os laços familiares de união e tornando a refeição mais agradável. O horário da refeição deve ser respeitado para manter a disciplina, mesmo com a presença de visitas. Os familiares devem tomar o cuidado de não fazer comentários desfavoráveis em relação ao alimento, pois as crianças são grandes "imitadoras" das pessoas que admiram. Se por exemplo o pai falar que não gosta de berinjela, as chances do mesmo acontecer com a criança são muitas.

Na hora da refeição deve haver concentração por parte da criança em relação àquele ato. É inviável que a criança coma exercendo outras atividades, como assistir televisão ou ler um livro. Isso faz com que nenhuma das duas atividades sejam praticadas de forma adequada.

 

Alimentação forçada

Devemos saber que uma criança normal e saudável come sem protestar. Por esse motivo, a criança não deve ser forçada a comer. Se existe algum tipo de resistência ao ato de se alimentar, isso acontece por algum motivo o qual deve ser investigado. O motivo pode ser a necessidade de despertar a atenção dos pais. As crianças apreciam essa atenção e muito cedo aprendem que se recusar a comer é uma boa maneira de se conseguir obtê-la.

Muitas vezes a recusa do alimento se deve ao fator da criança ser muito inativa para ter fome ou, ao contrário, ativa em excesso, demonstrando cansaço. O excesso de cansaço pode ser evitado através de um descanso rápido antes da refeição.

Outro fator que pode estar relacionado à recusa em alimentar-se é a vontade maior na realização de outra atividade, como por exemplo, brincar. Nessa hora, é inviável a existência de chantagens do tipo: "se não comer, não brinca". O ideal é o estabelecimento de uma disciplina que mostre "a hora de brincar e a hora de comer", para que esses tipos de situações não se misturem na cabeça da criança