buscar:      

siga-nos:


A Introdução da Papinha na Alimentação do Seu Filho
Saúde & Qualidade de Vida - Crianças

O CALENDÁRIO DA PAPINHA

Quando começar?

Após os 6 meses, em casos de aleitamento materno exclusivo, e após os 4 meses, quando o bebê estiver consumindo fórmulas lácteas

Quanto dar?

As primeiras papinhas não devem ultrapassar a medida de 1 colher de sopa, aumentando-se gradativamente a quantidade de acordo com a aceitação do bebê.

Complementa-se com leite?

Sim. O leite é fundamental para as crianças, principalmente nas primeiras fases da vida. Deve ser oferecido sempre pela manhã, à tarde e à noite (no mínimo).

Oferece sobremesa?

Ofereça sempre uma frutinha como sobremesa. A partir dos 6 meses, o bebê já pode experimentar algumas opções em forma de suquinhos e papinhas e de acordo com sua aceitação, tente evoluir para consistências mais sólidas (raspadinhas, amassadinhas).

Quais os alimentos adequados para cada faixa etária: primeiro os mais fáceis de engolir, depois os de consistência mais dura, em seguida com pedaços e por fim as comidinhas.

6 meses - desmame: introdução de alimentos um a um, observando a aceitação e a ocorrência de fatores como diarréia e alergia. Nesta fase, ofereça alimentos pastosos e líquidos, em pequena quantidade. As frutas, em forma de sucos e papinhas, são introduzidas anteriormente aos salgados, estes vindo logo depois. O volume deve ir evoluindo de acordo com a aceitação do bebê. Após testar alguns alimentos, faça combinação entre eles.

7 meses - tente acrescentar pedacinhos de carne, legumes e observe a aceitação. Tente aumentar o volume.

9 meses - acrescente pedacinhos de frutas e observe a habilidade de mastigação do seu bebê.

12 meses - agora está na hora de colocar o pimpolho para comer com a família. Ofereça os alimentos em pedacinhos menores, de forma que, aos poucos, seu bebê esteja apto a comer de tudo. Atenção para que a alimentação continue saudável e nutritiva!


Tabela sobre a forma de introdução dos alimentos na dieta do bebê.

ALIMENTOS
IDADE (MESES)
6 a 7
8 a 9
10 a 12
12 a 24
Cereais ou tubérculos e derivados Arroz papa
Angu
Batata purê
Inhame purê
Miolo de pão
Biscoitos
Macarrão
Arroz bem cozido
Batata cozida em pedaços
Arroz mais durinho
Pão
Bolo
Leguminosas Caldo de feijão
Ervilhas purê
Lentilhas purê
Sopa de ervilhas
Feijão amassado sem casca
Idem fase anterior Feijão cozido (grão)
Carnes Caldo de carne (boi, frango) Carne de boi ou frango moída ou picada ou desfiada Idem fase anterior Outras carnes e agora já pode servir pedacinhos maiores
Ovos Gema de ovo cozido Idem fase anterior Idem fase anterior Ovo cozido inteiro
Hortaliças Cozidas e peneiradas Cozidas e amassadas Cozidas ou ensopadas (picadas) Pode servir em pedacinhos maiores
Mel Não utilizar Idem fase anterior Idem fase anterior Pouca quantidade, pois não há necessidade de adoçar os alimentos para aumentar a aceitação do bebê
Frutas Sucos, papas ou raspadinhas Pedacinhos bem pequenos Idem fase anterior Pode servir em pedacinhos maiores
Óleos
A partir dos 6 meses

 

 

AS DÚVIDAS NA HORA DE COZINHAR

Pode congelar a papinha?

Pode, mas para fornecer todos as vitaminas e minerais para o seu bebê é importante que ofereça fresquinha, logo após o preparo, pois ocorrem perdas nutricionais importantes neste processo, por isso não é o ideal. O segredo para manter a papinha em ótimas condições de consumo após o descongelamento é não cozinhar demais, pois após o descongelamento o processo de cozimento continua e daí a apresentação, sabor, aroma e consistência podem ficar comprometidos.

 

Pode usar microondas para prepará-la? E para aquecê-la?

O microondas pode ser utilizado sem restrições, tanto para preparar quanto para aquecer os alimentos do bebê.

Pode usar qualquer tipo de panela (de pressão, T-Fal, inox, ferro)?

Se a panela estiver em boas condições de uso não existe nenhuma restrição.

Quantos dias pode ficar na geladeira?

Levando-se em conta a faixa de idade de 6 a 12 meses, o indicado é não ultrapassar às 24 horas, pois o risco de uma intoxicação alimentar é muito maior nos bebês mais novos. Caso ultrapasse este período, recomenda-se o congelamento.

Como congelar e descongelar?

A melhor forma de se congelar qualquer alimento em casa é, antes de tudo, selecionar muito bem os ingredientes, de forma que estes sejam frescos e de boa qualidade. Após o preparo, a comida deve ser porcionada em recipientes individuais (que dê para a criança comer apenas uma vez), e, ainda quente, submeter a um banho-maria com água gelada e pedras de gelo, o que caracteriza o processo de branqueamento. Esse processo preserva as características e textura dos alimentos, assim como seu valor nutricional (mesmo assim ocorrem perdas). Os recipientes devem ser pequenos, para que sobre pouco espaço para evitar o acúmulo de ar. Fechar em seguida, e levar ao freezer. Diferentes preparações devem ser congeladas separadas (por exemplo: a carne em um recipiente e o arroz em outro) ou então utilizar recipientes com divisórias. As papas ou sopas podem ser congeladas depois de devidamente preparadas. Para o congelamento deve-se utilizar somente o freezer. O congelador das geladeiras não apresenta temperatura suficiente para a conservação dos alimentos.

Para descongelar, você pode levar os alimentos diretamente ao microondas, em potência mínima ou direto no modo descongelar, mexendo esporadicamente, por aproximadamente 5 minutos (dependendo do aparelho, por isso faça testes até entender como funciona o seu). Outra forma de descongelamento é na própria geladeira, por até 5 horas, e em seguida, aquecer no fogo convencional. As comidinhas podem ser armazenadas por até 3 meses.

OBS: É extremamente importante o alimento manter a mesma estrutura na hora de servir, pois isso indica que o congelamento foi praticado de forma correta e que valor nutricional não foi muito abalado, principalmente no que diz respeito às fibras.

Pode peneirar?

Pode, inclusive ajuda na aceitação inicial dos alimentos mais fibrosos. Mas assim que o bebê aceitar uma consistência mais grossa não existe mais necessidade de peneirar, dependendo do alimento. A importância de se oferecer papinhas peneiradas, nunca batidas no liquidificador, e de logo depois passar para alimentos sólidos em pedaços, não deriva somente do objetivo de se criar um bom hábito alimentar, visando acostumar a criança a se alimentar de forma consciente, visualizando os alimentos e distinguindo seus sabores.

Trata-se, também, da necessidade de se exercitar os músculos maxilares para assim prepará-los para suas demais funções, tais como a fala e deglutição. Através da mastigação serão desenvolvidos movimentos de língua, lábios e mandíbula importantes na preparação da musculatura da boca para a articulação.

Usar liquidificador?

Não pode (já está mais detalhado acima).

Pode mamadeira para papinha?

De jeito nenhum, pois o bebê deve ser estimulado a mastigar, caso contrário, corre-se o risco de atrasar a introdução de novos alimentos.

DICAS PARA NÃO DESPERDIÇAR OS ALIMENTOS NA HORA DE PREPARAR AS PAPINHAS

1. Ao preparar as papinhas, você pode aproveitar melhor os nutrientes se amassar os alimentos com um socador ou garfo, ao invés de utilizar uma centrífuga ou liqüidificador;
2. Cuidado para não desperdiçar parte dos vegetais ao descascar;
3. Evite fritar os temperos antes de colocar os outros ingredientes, deixe cozinhar tudo de uma vez;
4. A água também deve ser dosada corretamente, evitando sopas ralas e menos nutritivas.

 

VITAMINAS, MINERAIS E FIBRAS
FUNÇÕES
ALIMENTOS FONTE
A
Prevenção da cegueira noturna, necessária para o crescimento e desenvolvimento celular, e resistência contra doenças infecciosas. Batata, abóbora, cenoura, fígado.
C
Fortalece as paredes do vaso sangüíneo, acelera a cicatrização e facilita a absorção do ferro. Desempenha um importante papel para o sistema imunológico. Frutas (em especial as cítricas), sucos, verduras e legumes em geral.
Complexo B
Promove o metabolismo das proteínas, de carboidratos e a liberação de energia, necessário para produção de DNA e RNA e para síntese de certos aminoácidos, garante a digestão normal, mantém o apetite e as funções nervosas. Batata, carnes, acelga, pêra, banana e mamão.
Potássio
Ajuda a manter o equilíbrio dos líquidos, promove o funcionamento dos músculos e do metabolismo. Batata, cenoura, acelga, banana.
Cálcio
Formação e manutenção dos ossos e dentes, funcionamento de músculos e nervos, coagulação do sangue e metabolismo. Mandioquinha, acelga, leite e derivados.
Fósforo
Mantém os dentes e ossos fortes, componente de algumas enzimas, essencial para o funcionamento do metabolismo geral e intelecto. Mandioquinha, peixes.
Ferro
Prevenção da anemia. Carnes (principalmente fígado), leguminosas e vegetais verde-escuros.
Fibras
Auxiliam no trânsito intestinal. Casca de frutas, legumes e verduras em geral, aveia.